top of page
  • Foto do escritorO Canal da Lili

Reciclagem de lixo eletrônico cresce em 2023, mas ainda opera abaixo da capacidade, aponta cooperativa


Dados da cooperativa mostram que em 2023 foram 701 toneladas de produtos receberam a destinação correta - Foto: Ilustrativa/Freepik

Há 14 anos realizando campanhas de conscientização sobre a importância do descarte ecológico para equipamentos eletrônicos quebrados ou sem uso, a Coopermiti - cooperativa sem fins lucrativos - conseguiu aumentar quantidade de lixo eletrônico recebido pela equipe de reciclagem no último ano.


Dados da cooperativa mostram que em 2023 foram 701 toneladas de televisores, geladeiras, computadores, entre outros produtos que receberam a destinação correta para não poluir o meio ambiente. O número é mais que o total tratado em 2022 - 555 toneladas de REEE - Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos, mesmo assim a capacidade máxima anual poderia chegar a 1.200 toneladas.



"Os resultados do ano mostram que as pessoas estão mais conscientes sobre a necessidade de descartar os Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos corretamente. Em 2023, com o fim oficial da pandemia, percebemos que as pessoas se sentiram mais seguras para sair de casa e fazer a sua parte levando os equipamentos antigos para os postos de coleta. No entanto, entendemos que a quantidade pode ser maior se mais pessoas se engajarem nessa missão", afirma Alex Pereira, presidente da Coopermiti.


Você sabe o que é e-lixo?

Existem cestos para separar plástico, vidro, metal e papel, mas quando é a geladeira que precisa ser descartada, o que fazer? O presidente da cooperativa explica que por falta de informação muitas pessoas acabam jogando mouses, teclados, caixinhas de som, entre outros aparelhos no lixo comum, e quando são televisores, geladeiras, monitores e equipamentos maiores, muitas vezes são abandonados em pontos de entulho. Em ambos os casos, os dispositivos se tornam vilões do meio-ambiente.


"Todo lixo eletrônico que acaba indo parar em aterros sanitários ou pontos de descarte irregular, quando exposto ao sol e à chuva, passa a representar um risco à saúde humana e à natureza, já (que) podem liberar substâncias tóxicas como Mercúrio, Cobre e Cádmio. Além disso, aumenta a extração de recursos naturais utilizados na fabricação de componentes que poderiam ser reaproveitados com a reciclagem de e-lixo pela indústria", detalha.


A importância da educação

Para educar a nova geração de consumidores, a cooperativa foca na educação de jovens e crianças. Ao longo da operação, a Coopermiti já recebeu muitas relíquias, como Atari, máquinas de escrever, vitrolas, e de equipamento em equipamento montaram um museu que conta um pouco sobre a evolução tecnológica. Hoje, o acervo itinerante passeia por creches, escolas, feiras e eventos, promovendo a conscientização sobre a importância de descartar corretamente eletrônicos.


Assim, espera combater a falta de informação e investimento sobre o tema. Para ter dimensão do problema, a ONU - Organização das Nações Unidas destaca que 97% do lixo eletrônico da América Latina ainda não são descartados de forma sustentável. Ainda assim, para quem quiser fazer sua parte, equipamentos quebrados ou sem uso, fios e outros componentes eletrônicos devem ser entregues pelo cidadão em postos de coleta específicos espalhados pela cidade, em subprefeituras, faculdades, escolas, praças, entre outros locais.


SERVIÇO

Para mais informações, acesse: http://www.coopermiti.com.br/

Comentários


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon
bottom of page