top of page
  • Foto do escritorO Canal da Lili

Professores marcam nova assembleia por reajuste salarial e fim do confisco dos aposentados


A Professora Bebel já encaminhou ofício à nova secretária da Educação e ao governador Rodrigo Garcia pedindo abertura de negociação - Imagem: Divulgação

A Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de Ensino do Estado de São Paulo) marcou para o próximo dia 3 de junho, nova assembleia dos professores da rede estadual de ensino para reforçar a luta por reajuste salarial de 33,24% e pelo fim do confisco de aposentados e pensionistas. A realização da assembleia foi deliberada pela diretoria executiva da Apeoesp, no último dia 12, e acontecerá na Praça da República, em São Paulo, a partir das 16h, e reunirá professores de todas as regiões do Estado.


A presidenta da Apeoesp, a deputada estadual Professora Bebel (PT) diz que é preciso engrossar o movimento dos professores, para assegurar o reajuste salarial de 33,24%, que equipara os salários no magistério paulista ao Piso Nacional da categoria. Na assembleia, os professores também definirão estratégias para pedir a revogação da Resolução 26/2022, que trata do acesso ao conhecimento para todos os estudantes, a manutenção dos protocolos sanitários nas escolas, uma vez que a pandemia do covid não acabou, assim como pelo direito de alimentação nas escolas a estudantes e profissionais da educação; pelo fim dos programas excludentes; pela reposição, pagamento e retirada das faltas de greves e paralisações.



A Apeoesp já solicitou reunião com a atual secretária da Educação, Renilda Peres, assim como a Professora Bebel também já oficiou o governador Rodrigo Garcia para debater essas reivindicações da categoria.


A Professora Bebel diz que a assembleia estadual é fundamental para que se possa, ainda, barrar a implementação da farsa do subsídio e o desmonte da nossa carreira. “A Apeoesp está em campanha para que os professores não optem pelo subsídio, de forma a impedir que ele se concretize e para que possamos, em um novo governo, lutar pelo resgate da nossa carreira e seu aperfeiçoamento. Portanto, desde já todas as subsedes devem realizar intensa visitação às escolas, dialogando com todos os professores e professoras, não apenas para não aderirem ao subsídio, mas para debaterem essa questão nas escolas, pois está nas mãos de cada um e cada uma a defesa da nossa vida profissional”, orienta a presidenta da Apeoesp.


Comments


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon
bottom of page