• O Canal da Lili

Piracicaba (SP): Assupira desenvolve Horta-Escola para inserir surdos no mercado de trabalho

Atualizado: 10 de fev.


Membros da equipe de gestão técnica Assupira, funcionários da empresa CJ do Brasil e participantes surdos durante colheita - Imagem: Assupira

Com o intuito de inserir surdos no mercado de trabalho, na busca por uma sociedade mais inclusiva, a Assupira (Associação de Surdos – Libras Piracicaba) realiza o projeto Horta-Escola, em parceria com a CJ do Brasil Indústria e Comércio de Produtos Alimentícios e a Sema (Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento). A iniciativa tem como lema “Plantando sonhos, colhendo oportunidades!”. Em Piracicaba (SP), os trabalhos na horta tiveram início em dezembro e a primeira colheita aconteceu neste mês. Todos os alimentos colhidos foram doados aos participantes.




A Horta-Escola da Assupira foi idealizada por Ligia Rualdes, da Aldeia Brasil, e reformulada pela equipe de gestão técnica da Assupira. O projeto está em desenvolvimento em área de 1.000 m² (metros quadrados) da empresa CJ do Brasil, cedida a título de comodato para a Associação pelo período inicial de um ano, podendo ser renovado. Para viabilizar a execução do projeto, a Sema providenciou o encanteiramento do terreno e a CJ do Brasil doou recursos financeiros para a compra de insumos, equipamentos agrícolas, EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e afins e irá fornecer aos participantes, ainda, alimentação e transporte gratuito.


Atualmente são atendidas cinco famílias no projeto e há vagas para mais cinco, podendo ser pessoas surdas ou familiares em primeiro grau de surdos. Até o momento, foram plantadas alface americana, alface roxa, abóbora, feijão carioca, rúcula, coentro, cebolinha, couve, milho crioulo, quiabo, batata-doce e ora-pro-nóbis. Ainda estão previstas as culturas de berinjela, pimentão verde, espinafre da Nova Zelândia, mandioca, salsa, brócolis, pepino caipira, almeirão, entre outras.


Assupira desenvolve Horta Escola para inserir surdos no mercado de trabalho - Imagem: Assupira

“O projeto prevê o ensino de agricultura urbana para membros da comunidade surda que estiverem desempregados e/ou em situação de vulnerabilidade social. A ideia é que os participantes possam aprender como preparar a terra, escolher as plantas, plantar, regar, retirar as ervas daninhas, identificar e proteger contra as pragas, organizar uma composteira, colher e comercializar os produtos. Espera-se que, ao final do projeto, as pessoas atendidas sejam capazes de gerar renda familiar a partir da comercialização dos produtos”, explica Beatriz Turetta, segunda secretária da Assupira.


Além da rede, conforme acrescenta Beatriz, o projeto prioriza ainda o equilíbrio do ecossistema, a preservação do meio ambiente e a utilização do solo e da água de acordo com os princípios da sustentabilidade. Lucas Afonso dos Santos, membro da equipe técnica, afirma que também está prevista no projeto a implantação de sistemas agroflorestais (SAF) para produção de árvores frutíferas.


EDUCAÇÃO

Conforme Gilberto Sampaio, segundo tesoureiro da associação, a equipe de gestão técnica, junto da equipe de Tils (Tradutores e Intérpretes de Libras), pretende elaborar e divulgar vídeos educativos com acessibilidade em Libras sobre preparo do solo, levantamento de canteiros, produção de mudas, métodos de propagação, colheita, identificação de doenças e pragas, manejo, entre outros temas que permitirão divulgar conhecimentos necessários para a implantação e implementação de agricultura urbana.


Michael Douglas de Souza, Georges Louis Onório dos Santos, Nayara Lourenço Vicente (participantes) Julia Aparecida Tameirão e Lucas Afonso Fernandes dos Santos (equipe de gestão técnica) - Imagem: Assupira

COMO PARTICIPAR

Podem participar do projeto pessoas surdas e familiares em primeiro grau de surdos. É necessário demonstrar interesse pelos meios de comunicação da Assupira. O contato pode ser feito pelo e-mail assupira@gmail.com , pelo WhatsApp (19) 97829-6009 ou pelas redes sociais (Facebook e Instagram) @assupira. Após a realização do cadastro no projeto, a Assupira providencia os uniformes e EPIs (calçado de segurança, calça, camisa, chapéu, luvas e protetor solar). Todo participante tem direito a transporte e alimentação (café da manhã, almoço e café da tarde) gratuitos e quem desejar pode tomar banho antes de retornar para casa. “A expectativa é que os participantes percebam na agricultura urbana uma possibilidade de melhorar a situação alimentar e nutricional de suas famílias e que a partir do escoamento da produção também se animem com a possibilidade de utilizar o conhecimento adquirido em trabalhos futuros”, comenta Beatriz.


PARCERIAS

Baseado numa proposta de agricultura urbana sustentável e de produção orgânica, o projeto Horta-Escola da Assupira busca parcerias para o desenvolvimento das atividades e escoamento da produção. Os recursos obtidos com a venda dos produtos, especialmente aqueles obtidos a partir do ensino de compra e venda, serão divididos entre os participantes do projeto. Parte dos recursos será utilizada para o gerenciamento do próprio projeto, que além do ensino prevê auxílio à implantação das hortas familiares e/ou comunitárias posteriormente. “Esperamos que outras empresas se animem a contribuir com o projeto e suas possibilidades de ramificação”, comentou Gilberto Sampaio.


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon