• O Canal da Lili

Nutricionista fala sobre a importância do konjac, tubérculo zero carboidratos


Konjac é uma raiz vegetal que se assemelha a uma batata - Imagem: Divulgação

Existente há milhares de anos, o tubérculo konjac está cada vez mais popular. De acordo com a nutricionista Adriana Stavro, essa raiz vegetal proporciona muitos benefícios à saúde. O konjac é um vegetal bastante consumido no Japão, China e sudeste da Ásia há séculos. "Talvez desconhecido para muitos, mas ultimamente está nas manchetes por suas muitas alegações nutricionais, mas principalmente por ajudar na perda de peso", destaca a nutricionista.


O que é Konjac?

Konjac é uma raiz vegetal que se assemelha a uma batata. Ele contém uma fibra solúvel chamada glucomanano (GM). O GM é uma fibra alimentar solúvel, fermentável e altamente viscosa. Esta fibra é conhecida por absorver água para formar um material semelhante a um gel e com isso retardar a digestão, diminuído a fome.


O GM é tradicionalmente usado na medicina chinesa e tem sido associado à prevenção da constipação, perda de peso, diminuição dos níveis de colesterol e controle da glicemia pós-prandial. Ela está disponível na forma suplemento (em cápsula), gelatina vegana, espessante ou emulsificante ou pode ser seco e usado como farinha para produção de macarrão.


Além disso, a fibra GM funciona como um prebiótico. Ela nutre as bactérias que vivem no cólon, também conhecida como microbiota. "No cólon, as bactérias fermentam as fibrasformandoácidos graxos de cadeia curta (AGCC). Estes AGCC são importantes pois são o combustível respiratório dos colonócitos, que podem ser benéficos para prevenir e tratar inúmeras patologias dentre elas doenças inflamatórias intestinais, efeitos antitumorais, anti-hiperglicemiante, suporte para função imunológica e perda de peso", explica Adriana Stavro.


A perda de peso é atribuída a fibra glucomanano (GM), que retarda o esvaziamento gástrico, promovendo sensação de saciedade por mais tempo. O GM tem uma capacidade excepcional de absorver água e é uma das fibras dietéticas conhecidas mais viscosas. "Ele absorve tanto líquido que uma pequena quantidade de GM adicionada a um copo de água transforma todo o conteúdo em um gel. Acredita-se que essas propriedades únicas medeiam seus efeitos na perda de peso", ressalta a nutricionista.


As fibras prebióticas (FP) são carboidratos não digeríveis que promovem o crescimento de bactérias benéficas no intestino (lactobacilos e bifidobactérias), que podem beneficiar a obesidade e comorbidades associadas, melhorando a disbiose intestinal, pois o intestino é um órgão enteroendócrino ativo que secreta vários hormônios em resposta ao estímulo alimentar ou à falta de alimento. Os alimentos ingeridos podem alterar a expressão desses hormônios que, por sua vez, atuam no cérebro para sinalizar fome ou saciedade. Isso é importante devido à necessidade de aprimorar nossa compreensão de como as nossas escolhas alimentares podem modificar positivamente a microbiota intestinal e melhorar os resultados da perda de peso", explica Adriana.


Um estudo de 2013, que avaliou a Ingestão de Fibras Prebioticas (FP), Microbiota Intestinal, Melhora dos Fatores de Risco para Obesidade e Síndrome Metabólica, os resultados mostraram que quando as bactérias metabolizam FP, produzem ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), o que diminui o pH luminal. "Isso altera a composição da microbiota intestinal, pois nem todas as espécies podem prosperar neste ambiente. Além disso, a microbiota influencia a produção de hormônios da fome e da saciedade. É o caso da grelina, um hormônio orexígeno que estimula o apetite. Aqui, foi encontrado níveis plasmáticos reduzidos com suplementação de FP", diz a nutricionista.



  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon