top of page
  • Foto do escritorO Canal da Lili

Me Too Brasil manifesta apoio à Ana Hickmann pela coragem no combate à violência doméstica


"Contra todos os tipos de agressões às mulheres: basta!" é uma campanha permanente criada pela jornalista Eliana Teixeira, a Lili - Foto: Divulgação/O Canal da Lili TV

O Me Too Brasil divulgou apoio à apresentadora Ana Hickmann, que denunciou agressões cometidas por seu ex-marido, Alexandre Correa. De acordo com a entidade, a coragem da apresentadora ao expor a violência a qual foi submetida colabora para a conscientização de mulheres que sofrem agressões em ambiente familiar e as encoraja na busca de apoio e de medidas protetivas.


E O Canal da Lili, divulgando matérias e produzindo conteúdos (Veja o vídeo) em suas redes sociais - Facebook, Instagram e YouTube, também se coloca no combate à violência doméstica, por meio de uma campanha permanente, criada pela jornalista Eliana Teixeira, a Lili, "Contra todos os tipos de agressões às mulheres: basta!"




Em nota pública, o Me Too Brasil destaca que a violência doméstica pode afetar todas as mulheres, de todas as raças, idades e condições econômicas, e a dificuldade em romper o silêncio é um ponto em comum entre todas as vítimas. De acordo com análise feita pelo núcleo de gênero do MP-SP - Ministério Público de São Paulo, em 2016, as mulheres demoram cerca de 10 anos para romper o ciclo de agressões.


"Levantar a voz contra o agressor é difícil para todas as mulheres, principalmente, devido à forte relação afetiva, emocional e muitas vezes econômica que a vítima possui com seu agressor, que é também seu marido, o pai de seus filhos, alguém com quem a vítima subiu ao altar", afirma a advogada Marina Ganzarolli, presidente do Me Too Brasil.

Ana Hickmann trouxe à público a maneira como comentários e falas - que para alguns podem parecer piadas inocentes - podem ser classificados como violência moral e psicológica. Xingamentos, palavras depreciativas, humilhação, desvalorização moral, deboche público, tentativa de posse e controle da vida da vítima, dentre outras, são agressões que geram sofrimento, abalam a saúde mental, a autoestima e a autoconfiança da vítima, aponta a presidente da organização.


FORMAS DE VIOLÊNCIAS A Lei Maria da Penha enumera algumas das formas de violências que as mulheres podem sofrer: psicológica, moral, sexual, patrimonial e física. Dentre elas, a violência psicológica é a mais incidente entre as vítimas. É o que aponta a Pesquisa Nacional de Violência contra a Mulher, do Instituto DataSenado: ao menos 89% das 21 mil mulheres entrevistadas indicaram que já sofreram este tipo de violência. Ainda de acordo com a pesquisa, a violência moral se mostra presente com 77%, e a violência física com 76%. A violência patrimonial soma 34%, e a sexual 25%.

Desde 2021, o Código Penal passou a prever em seu artigo 147-B, o crime de violência psicológica, definido como "causar dano emocional à mulher que a prejudique e perturbe seu pleno desenvolvimento ou que vise a degradar ou a controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, chantagem, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que cause prejuízo à sua saúde psicológica e autodeterminação".

ME TOO BRASIL

Inspirado e influenciado pelo movimento #MeToo, fundado por Tarana J. Burke nos Estados Unidos, o Me Too Brasil é uma organização que atua contra o assédio e o abuso sexual. Seu objetivo é amplificar a voz das vítimas e oferecer acolhimento por meio de apoio psicológico, jurídico, assistencial e orientação às sobreviventes, além de tomar as medidas necessárias em conjunto com as autoridades competentes.


"O Me Too Brasil reconhece a coragem e a força de Hickmann. Sua atitude certamente vai inspirar outras mulheres a romperem o silêncio e saírem dos ciclos de violência e de relacionamentos abusivos em que se encontram”, destaca a organização.



Comments


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon
bottom of page