top of page
  • Foto do escritorO Canal da Lili

Médica veterinária fala sobre medidas de segurança com pets em viagens longas de fim de ano


Caixa transportadora garante segurança do pet - Imagem: Divulgação

O recesso de fim de ano é um período de aumento das viagens para recompensar o trabalho e sair da rotina. Para quem tem cães e gatos e não abre mão de passar momentos especiais com seus bichinhos, é importante ter atenção a detalhes para garantir que a trajeto seja seguro para os animais e despreocupante para os tutores.


A docente do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera, professora Vanessa Lowe, alerta para os principais pontos para planejar um passeio. “É preciso colher informações sobre o local, considerando que a maioria dos destinos só permitem a entrada de pets com determinadas vacinas por exemplo, portanto, é necessário estar em dia com as vacinações e medicações”, alerta.



Os tutores devem ter em mãos o atestado sanitário do seu animalzinho de estimação, certificante de que o animal está em boas condições de saúde e atende às medidas definidas pelos órgãos públicos, além da carteira de vacinação. A documentação é imprescindível até mesmo para trajetos feitos em veículo próprio. Em caso de viagem internacional, o comprovante de chipagem também é necessário.


“Para facilitar a comunicação, os dados mais importantes podem estar presentes na coleira de identificação, como nome e telefone dos donos. Hoje em dia, existem tags para colocação na coleira, que, por meio de um aplicativo, auxiliam no acompanhamento e a localização do pet. Essa medida é válida para o dia a dia, mas torna-se indispensável em locomoção para lugares distantes”, lembra a docente.


CAIXA DE TRANSPORTE

Além de ser uma exigência em companhias rodoviárias e aéreas, uma viagem de carro se torna mais segura quando o pet está acomodado em uma caixa de transporte confortável. O Código de Trânsito Brasileiro não permite que animais fiquem entre as pernas do passageiro ou nos bancos de veículos, assim como em caçambas de pick-ups e caminhonetes.


“O cachorro ou gato pode se familiarizar com a caixa algumas semanas antes do passeio, por exemplo, e isso evita problemas no futuro”, indica a médica-veterinária. “Para isso, podemos colocar brinquedos e cheiros aos poucos, a fim de acostumá-los a esse ambiente, desse modo, o trajeto será mais tranquilo”, afirma. A mesma técnica se aplica a outros pets não convencionais, como coelhos.


A docente indica, também, que o percurso deve conter paradas planejadas, para que os seus bichinhos possam fazer suas necessidades (urinar e defecar) e tomar água. Segundo a professora, o ideal é que os animais parem de se alimentar 3 horas antes da partida. “Os intervalos diminuem os riscos de enjoos e você chega a seu destino sem grandes problemas”, completa.


Comments


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon
bottom of page