• O Canal da Lili

Férias infantis: cuidados com as crianças devem ser redobrados para evitar lesões e fraturas


Atividades ao ar livre aumentam riscos de lesões e fraturas - Imagem: Ilustrativa/Freepik

Em julho, mês das férias escolares, a programação das crianças costuma ficar agitada com viagens, passeios e muitas brincadeiras ao ar livre. Com tantas atividades, esse período exige cuidado redobrado dos pais e parentes, já que muitas vezes uma diversão inocente como correr, jogar futebol, andar de skate, patins ou bicicleta pode terminar com fratura ou lesão.


Segundo o médico radiologista Osvaldo Landi Júnior, gerente médico de inovação e dados da Fidi (Fundação Instituto de Pesquisa em Diagnóstico por Imagem), por estarem em fase de desenvolvimento, é comum as crianças se desequilibrarem, caírem e sofrerem algum tipo de lesão. “Além da supervisão às crianças, os pais precisam estar atentos às mudanças de comportamento delas que pode indicar algo mais grave, como aumentar o número de vezes que pedem colo, ou ainda não desejarem andar e brincar como de costume”, explica.



Por serem regiões mais expostas do corpo, as pernas e os braços sofrem bastante com as quedas e as lesões podem ser diversas desde torções até um osso quebrado, sendo necessária a imobilização do local. O melhor cuidado para evitar que isso aconteça é sempre a prevenção, ou seja, o uso de equipamentos de proteção, como joelheira, capacete e cotoveleira, pode evitar lesões mais graves na cabeça, pernas e braços. Já os esportes de quadra, como vôlei e futebol, precisam ser praticados com o calçado adequado e em local com boas condições de uso.


“Os cuidados em casa também são importantes. É preciso ter atenção com as escadas, sacadas, lajes, tapetes e objetos espalhados pela casa. Usar redes de proteção nas janelas e varandas também é importante. Além disso, não se deve deixar a criança sozinha sem observação”, complementa Osvaldo Júnior.


Além disso, é importante ficar atento aos tipos de acidente que podem acontecer, principalmente se a criança está se queixando de dor. Em casos de suspeita de lesões, é importante buscar um pronto atendimento para a avaliação médica e a investigação diagnóstica através de exames de imagem, por exemplo.


Sobre a FIDI

Fundada em 1985 por médicos professores integrantes do Departamento de Diagnóstico por Imagem da Escola Paulista de Medicina - atual Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) -, a Fidi é uma fundação privada sem fins lucrativos que reinveste 100% de seus recursos em assistência médica à população brasileira, por meio do desenvolvimento de soluções de diagnóstico por imagem, realização de atividades de ensino, pesquisa e extensão médico-científica, ações sociais e filantrópicas. Com 2.065 colaboradores e um corpo técnico formado por mais de 400 médicos, a Fidi está presente em 77 unidades de saúde nos estados de São Paulo e Goiás e é a maior prestadora de serviços de diagnóstico por imagem do SUS (Sistema Único de Saúde), realizando aproximadamente 5 milhões de exames por ano, entre ressonância magnética, tomografia computadorizada, ultrassonografia, mamografia, raios-X e densitometria óssea.


A Fundação também trabalha na proposição de soluções inovadoras para a saúde pública, como o sistema de análise de imagens de tomografia computadorizada por inteligência artificial, e participou da primeira Parceria Público-Privada de diagnóstico por imagem na Bahia. Por duas vezes, a Fidi recebeu o prêmio Referências da Saúde 2019 e 2020, na categoria Qualidade Assistencial, e por três vezes foi medalhista em desafios internacionais de aplicação de inteligência artificial no diagnóstico por imagem, propostos na conferência anual da Sociedade Norte-Americana de Radiologia, considerado o maior congresso do setor no mundo. Ao final de 2020, a Central de Laudos da Fidi obteve a certificação ISO 9001:2015 de Gestão da Qualidade, pela International Organization for Standardization e, em 2021, recebeu o selo de “Excelente Empresa Para se Trabalhar”.

  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon