top of page
  • Foto do escritorO Canal da Lili

Esquema vacinal: doses de reforço potencializam sistema imunológico contra a Covid-19


Doses de reforço são importantes para imunização contra Covid - Imagem: Divulgação

A mobilização pela retomada das altas coberturas da imunização contra a Covid-19 está em andamento no Brasil e o engajamento da população é uma das preocupações entre especialistas -- mais de 19 milhões de pessoas estão em atraso com a segunda dose e 68 milhões ainda precisam da aplicação de reforço. O esquema de vacinação completo é fundamental para garantir a proteção conferida pela vacina, que pode diminuir com o tempo.


Como explica a coordenadora do curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera, professora Rafaela Saviolli, o organismo perde a memória imunológica contra o vírus com o passar dos meses. “Mesmo para quem já tomou as duas primeiras doses, é necessário atualizar a defesa do corpo no combate de infecções, além de aumentar a barreira contra novas variantes”, afirma a docente.



Um levantamento realizado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) com mais de 1,5 mil pessoas demonstrou que o número de anticorpos contra o coronavírus abaixa seis meses após a segunda aplicação da vacina. Com o reforço na imunização, a quantidade volta a subir consideravelmente. Com a melhora nas respostas do sistema imunológico, os riscos de casos graves ou óbitos diminuem.


VACINA BIVALENTE

Na etapa de vacinação nacional que começou no dia 27 de fevereiro, a população irá receber uma dose da vacina bivalente -- diferentemente das monovalentes, que combatem a cepa original do coronavírus, a dose possui ingredientes modificados para atingir, também, a variante ômicron e suas subvariantes, predominante nos registros mundiais da Covid-19 atualmente. O enfoque é imunizar os grupos prioritários em cinco fases de definidas pelo Ministério da Saúde.


Idosos, gestantes e puérperas, pessoas com deficiência permanente com mais de 12 anos, pessoas privadas de liberdades ou cumprindo medidas socioeducativas, pacientes imunossuprimidos, comunidades indígenas, quilombolas e ribeirinhas e pessoas que vivem em Instituições de Longa Permanência e trabalhadores da área da saúde são contemplados no público a ser imunizado pela bivalente. A vacina monovalente continua disponível para o restante da comunidade.


A população deve estar atenta aos comunicados de seus municípios para aderir ao esquema vacinal em postos de saúde. A proteção faz parte de uma estratégia coletiva e pode controlar disseminação do coronavírus. A OMS (Organização Mundial da Saúde) classifica a pandemia da Covid-19 como uma realidade presente e em ainda em ponto de transição.

Comments


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon
bottom of page