top of page
  • Foto do escritorO Canal da Lili

Esgotamento mental: especialista fala sobre os principais motivos do burnout e como combatê-lo


Esgotamento mental: uma doença do século 21 - Imagem: Divulgação

De acordo com uma pesquisa recente, 49% dos recrutadores acreditam que os profissionais estão propensos ao burnout, um tipo de esgotamento emocional e mental relacionado ao excesso de trabalho. Existem várias razões que contribuem para essa percepção, incluindo: cargas de trabalho mais pesadas; falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional; mais pressão para obtenção de resultados; alta demanda de trabalho por conta de equipes reduzidas.

A psicóloga, especialista em neurociência e mestre em comunicação, Shana Wajntraub, comenta que um dos fatores que pode contribuir é a falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Para ela, as pessoas muitas vezes tem dificuldade de gerenciar o tempo para cuidar de todas as demandas e praticar o autocuidado, que é essencial no combate ao burnout.



Do lado da empresa, um outro indicador significativo é o ambiente tóxico. Uma liderança tóxica pode ter grande impacto no bem-estar dos colaboradores, pois eles tendem a criar um ambiente de trabalho negativo, onde as equipes são submetidas a altos níveis de estresse, pressão e hostilidade.

A exposição prolongada a este tipo de gestão pode levar ao burnout, pois o estresse alto e a exaustão emocional podem proporcionar uma sensação de desamparo e desesperança. Além disso, os colaboradores podem sentir-se desvalorizados e inseguros. “Encontrar o equilíbrio entre produtividade e saúde é um desafio que deve ser enfrentado tanto pelos profissionais quanto pelas empresas. Os profissionais devem estar atentos aos sinais de estresse e esgotamento, buscando ajuda sempre que necessário”, aconselha Shana Wajntraub.

Já as empresas devem adotar medidas para flexibilizar a carga de trabalho dos colaboradores, estabelecer políticas claras de equilíbrio entre vida pessoal e profissional e investir em programas de bem-estar para seus profissionais. Dessa forma, será possível reduzir o risco de burnout e criar um ambiente de trabalho mais saudável e produtivo.


Como combater o Burnout?

Shana Wajntraub cita algumas práticas de atividades para gerenciar o estresse: atividades físicas leves e moderadas, práticas de relaxamento como massagem (ou automassagem e alongamento) e meditação; práticas espirituais, caso seja praticamente de alguma religião; escutar músicas; contato com a natureza, como ir à praia ou ao campo; práticas alimentares, evitando café em excesso e consumo de comidas processadas, principalmente as ultra processadas.


Shana Wajntraub é psicóloga, especialista em neurociência e mestre em comunicação - Imagem: Divulgação

É importante também, escolher uma dieta com alimentos leves (oleaginosas, chás, verduras, frutas e peixes). Manter vínculos sociais satisfatórios e recompensadores, como encontrar bons amigos, familiares e namorar. Um estudo de Harvard mostrou que a solidão é um forte preditor de problemas de saúde e, inclusive, morte precoce. E, por último, um dos mais importantes: sono regular. “É importante considerar que nem sempre é possível aderir a todas essas práticas, mas quanto mais conseguir ajustar tais aspectos, mais eficiente será sua recuperação ou prevenção ao Burnout”, enfatiza Shana Wajntraub.


PSICÓLOGA

Shana Wajntraub, conhecida como Shana Eleve, é psicóloga com MBA em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal Fluminense, pós- graduada em neurociências pelo Mackenzie. É mestranda em comunicação e análise de comportamento pela Manchester Metropolitan University- UK (Paul Ekman). Professora da HSM, palestrante da HSM expo em 2021, também palestrou no CBTD em 2020 e 2021 e já impactou mais de 230 mil pessoas em treinamentos na América Latina para Nestlé, Galderma, Sanofi, GPA, Hypera, Locaweb, Seara, AstraZeneca, Dasa, Boehringer, Met Life, Grupo Boticário, Vivo, Amil, Magazine Luiza, Camil.

Comments


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon
bottom of page