top of page
  • Foto do escritorO Canal da Lili

Deputada Bebel quer garantir direito às mulheres de serem acompanhadas em consultas e exames


Preocupação da deputada Professora Bebel é garantir a integridade física, moral e mental das mulheres - Imagem: Divulgação

A deputada estadual Professora Bebel (PT) protocolou, nesta semana, na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), o Projeto de Lei 49/2023 que dá o direito de toda mulher a ter como acompanhante pessoa de sua escolha nas consultas e exames, inclusive os ginecológicos, nos estabelecimentos públicos e privados de saúde do Estado de São Paulo.


A deputada tomou esta iniciativa em função de que na realidade atual do país, muitos têm sido os casos relatados de violência e assédio contra mulheres, que também ocorrem nos ambientes dos estabelecimentos de saúde durante consultas e exames. “Minha preocupação é de garantir a integridade física, moral e mental das mulheres”, ressalta a deputada Professora Bebel.



Se aprovado o projeto, todo estabelecimento de saúde deverá afixar material informativo em locais de fácil acesso e visibilidade localizados em seu interior, assegurando o direito a acompanhante. O descumprimento desta lei acarreta: quando praticado por servidor público, a apuração do fato pelos meios previstos no ordenamento jurídico próprio do servidor, com aplicação da necessária penalidade, depois de ofertado ao acusado o direito à mais ampla defesa e ao contraditório, caso aquele seja constatada sua responsabilidade. Já quando praticado por funcionários de hospitais ou estabelecimentos de saúde privados, fica estabelecida a aplicação de penalidades administrativas, aplicáveis, conforme a responsabilidade, de forma gradativa: advertência; multa de R$ 1.000,00 a R$ 10.000,00, que será aplicada em dobro, no caso de reincidência.


Os valores serão atualizados anualmente pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC/IBGE. A deputada Professora Bebel também propõe que fica a autoridade fiscalizadora autorizada a elevar em até cinco vezes o valor da multa, quando se verificar que, ante a capacidade econômica do autuado, a pena de multa resultará inócua.


Na justificativa da propositura, a deputada ressalta que a mulher é vítima de violência em todos os aspectos de sua vida cotidiana, e, infelizmente, nem mesmo quando necessita de procedimentos médicos essa realidade é alterada. “É fato que a imensa maioria dos profissionais de saúde são competentes e sérios, contudo, basta que um não seja para que vejamos terríveis histórias serem relatados nos maiores veículos de comunicação nacional. Assim, a presença de pessoa como acompanhante, tranquiliza em situações de extrema fragilidade física”, ressalta Bebel.


Comentários


  • Facebook Clean
  • Instagram Clean
  • White YouTube Icon
bottom of page